Transtorno de Pânico e a Psicoterapia Cognitivo-Comportamental. Liberte a mente do Pânico.: Liberte a mente do Pânico. (1) (Portuguese Edition)

Nunca se falou tanto neste assunto, infelizmente. Este livro proporcionará a você um encontro com o tema e o levará a uma reflexão de uma terapia que poderá dar certo para você ficar livre do pânico ou ajudar a quem sofre desse mal. O ataque de pânico poderá acontecer de forma abruta, provocando uma intensa

Nunca se falou tanto neste assunto, infelizmente. Este livro proporcionará a você um encontro com o tema e o levará a uma reflexão de uma terapia que poderá dar certo para você ficar livre do pânico ou ajudar a quem sofre desse mal. O ataque de pânico poderá acontecer de forma abruta, provocando uma intensa angústia e ansiedade. Segundo pessoas que já passaram por esta situação alegam sentirem um desconforto intenso, provocando um sentimento de catástrofe eminente com sintomas horrorosos como por exemplo: falta de ar, dificuldade de respirar, formigamentos, vertigem, tontura, dor ou desconforto no peito, despersonalização, sensação de irrealidade, medo de perder o controle, medo de enlouquecer, sudorese, tremores, medo de desmaiar, sensação de iminência da morte, náusea ou desconforto abdominal, calafrios ou ondas de calor, boca seca e perda do foco visual sensação de morte iminente, de loucura e estranhamento corporal. É importante salientar que não são todos os sintomas presentes nas crises, mas alguns sempre sim. Pessoas que desenvolvem pânico geralmente associam a ansiedade como elemento principal no comportamento aguçando sempre a apreensão e conexão com algo negativo ou objeto indefinido no futuro. A ansiedade antecipatória se liga a uma perspectiva de uma nova crise, assim, a pessoa passa a limitar a sua liberdade evitando lugares que antes tiveram o desconforto provocando a agorafobia (medo do aberto) ou claustrofobia (lugares fechados). É bem possível observar que as pessoas com transtorno de pânico ficam em estado de ansiedade o tempo todo evitando não vivenciar o “medo” de sentir “medo” restringindo as suas vidas de forma acentuada provocando perdas consideradas em vários campos. Exemplos de perdas: familiares, sociais, profissionais, pessoais, financeiras, (biopsicossocial). O transtorno de pânico é uma reação biopsicológica excessiva da qual a pessoa não consegue explicar para si ou para quem está perto, (médicos). Muitas vezes, acham que vão ter um ataque cardíaco, desmaiar ou morte iminente. O pior é que as causas são desconhecidas levando-as a mais desesperos por não terem uma explicação das razões que motivam este acontecimento. Portanto, este simples trabalho oferece aos portadores do transtorno de pânico ou pessoas interessadas no assunto, oportunidades de encontrar caminhos psicoterapêuticos para lidar melhor com o problema. A pessoa aprende na psicoterapia cognitivo-comportamental a diminuir as suas crises, reestruturando a sua forma de pensar os seus problemas, sentimentos, processos afetivos, estratégias assertivas, elaboração das emoções e caminhos satisfatórios com menos estresse. Estimulando o crescimento pessoal com equilíbrio e sabedoria para uma vida mais plena e satisfatória